sábado, 9 de março de 2019

EM GUERRA CONTRA O GOVERNO, OLAVO AGORA ENVOLVE GUEDES EM ‘LOBBY’ PRIVADO

9 de março de 2019





Jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, escreve que a guerra do astrólogo Olavo de Carvalho lançou estilhaços fumegantes em áreas mais do que delicadas para o Governo Bolsonaro: o até agora intocável ministro da Fazenda, Paulo Guedes; "Esta madrugada, Olavo, no Facebook, postou o gráfico do que seria a suposta relação entre o valor das ações das empresas que controlam universidades privadas e o início do processo de demissão dos 'olavetes' do Ministério da Educação, os quais ele mesmo exortou a deixarem os cargos", diz Brito


Guerra do estranhíssimo "guru" dos Bolsonaro, o astrólogo e devedor do Fisco Olavo de Carvalho, lançou estilhaços fumegantes em áreas mais do que delicadas para o Governo Bolsonaro: o até agora intocável ministro da Fazenda, Paulo Guedes.

Esta madrugada, Olavo, no Facebook, postou o gráfico do que seria a suposta relação entre o valor das ações das empresas que controlam universidades privadas e o início do processo de demissão dos "olavetes" do Ministério da Educação, os quais ele mesmo exortou a deixarem os cargos.
Ele reproduz texto de Silvio Grimaldo, até agora assessor especial do Ministro Ricardo Vélez, onde se diz que " uma importante lobista foi ao MEC pedir pelo amor de Deus para pegarmos leve, pois "o mercado estava derretendo" com o anúncio da tal "Lava Jato da Educação" Segundo ele, "o Vélez a mandou pastar". E que depois da "derrota" de Olavo, as ações Kroton, uma das gigantes da educação superior privada teriam se recuperado da desvalorização.
Olavo ratifica o argumento e escreve que "a Estácio também, depois de dias em queda, se deu bem com fim dos olavetes do MEC. Só hoje recuperou 8% do seu valor na bolsa depois de derreter com o anúncio da Lava Jato da Educação".
A acusação a "uma lobista" tem endereço certo: Elisabeth Guedes, irmã do ministro da Fazenda e vice-presidente da Associação Nacional de Universidades Privadas (Anup). A Anup estaria interessada em passar o ensino superior para o Ministério da Ciência e Tecnologia e liberar orçamento do MEC para planos privatistas para a educação básica, especialmente com a criação de "vouchers educacionais", através dos quais, em lugar a ampliar as escolas públicas, o governo distribuiria "vales" para custear o ensino em escolas privadas.
A ideia, claro, tem o aval de Paulo Guedes, desde antes da posse de Bolsonaro, como você pode ler aqui e aqui.
Talvez seja preciso, de fato, uma "Lava Jato da Lava Jato da Educação". Mas a blindagem em torno de Guedes, um dos "heróis" do bolsonarismo ainda não enlameados deixará?

Fonte: Brasil 247   por Fernando Brito














Nenhum comentário:

Postar um comentário