terça-feira, 5 de março de 2019

MINISTRO DIZ QUE GOVERNO PLANEJA LIBERAR MINERAÇÃO EM TERRAS INDÍGENAS

5 de março de 2019






Diante de uma plateia formada por investidores e executivos de mineradoras do Canadá e do Brasil, o ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, anunciou nesta segunda-feira (4) em Toronto, no Canadá, que o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) planeja permitir a atividade de mineração em terras indígenas e em zonas de fronteira, além de abrir para mineradoras privadas a atividade de pesquisa relacionada a minerais nucleares; Albuquerque falou em "flexibilização da pesquisa e exploração na área nuclear" (urânio) de modo que o "investimento privado possa ajudar a desenvolver o setor"




247 - Diante de uma plateia formada por investidores e executivos de mineradoras do Canadá e do Brasil, o ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, anunciou nesta segunda-feira (4) em Toronto, no Canadá, que o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) planeja permitir a atividade de mineração em terras indígenas e em zonas de fronteira, além de abrir para mineradoras privadas a atividade de pesquisa relacionada a minerais nucleares, informa o Valor.

Albuquerque disse que o governo estuda "a possibilidade de estender o acesso" de mineradoras e áreas hoje restritas, citando áreas indígenas e fronteira. No caso das áreas indígenas, o ministro disse que a abertura seria feita após um processo de consulta às próprias populações indígenas, a organizações que tratam do tema e "principalmente o Congresso", afirmou. Albuquerque enxerga como "hubs de conflitos" a impossibilidade de mineradoras atuarem nessas áreas para explorá-las.
Urânio

"Ao apresentar as linhas gerais do que deverá ser a nova política do governo para atividade mineratória, o ministro também falou sobre a 'flexibilização da pesquisa e exploração na área nuclear' de modo que o 'investimento privado possa ajudar a desenvolver o setor'. Atualmente, a atividade de pesquisa, exploração e produção de urânio é restrita à estatal Indústrias Nucleares do Brasil (INB)", conta reportagem.


Fonte: Brasil 247












Nenhum comentário:

Postar um comentário