Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2017

OBRIGADO, LAVA JATO! OBRIGADO, GLOBO! POBREZA E MISÉRIA VOLTAM A EXPLODIR NO BRASIL

Imagem
30 de janeiro 2017    Escrito por Miguel do Rosário , Postado em Arpeggio , Golpe , Miguel do Rosário Pobre Brasil. Hoje o Valor, noticiou – sem destaque, claro, porque essa não é uma notícia que interessa à mídia corporativa, hoje empenhada em consolidar o golpe – uma notícia terrível, da qual reproduzo um trecho: Com crise, base da pirâmide cresce e volta aos níveis de 2011 As classes D e E ganharam 4,3 milhões de famílias nos últimos dois anos e voltaram a representar 56,5% do total de domicílios do país, nível próximo do registrado em 2011, 57,4%. A proporção chegou a 51,4% em 2014, a menor observada durante o processo de mobilidade social que começou em 2003, quando 70,2% estavam na chamada base da pirâmide. Reparem bem. As classes D e E representavam 70% da população brasileira em 2003. Caíram para 51% ao final de 2014, após três gestões petistas. Esse foi, claro, o grande crime do PT. A partir de 2015, quando o golpe (ou seja, a

JUIZ BARRA VENDA DA PETROQUÍMICA DE SUAPE E DÁ AULA DE ECONOMIA A PEDRO PARENTE

Imagem
30 de janeiro de 2017     Por:  Carlos C, com Redação A Justiça Federal acaba de barrar mais uma negociata de gestão temerária na Petrobras, proibindo a “venda” (melhor seria chamar doação) das Plantas Industriais de SUAPE e CITEPE, obras do PAC recém inauguradas. Essas unidades industriais estão sendo “vendidas” a preço irrisório e sem licitação. Situadas no Complexo Industrial Portuário de Suape , em Pernambuco, com excelente capacidade de escoamento e recebimento de produtos via marítima e terrestre, a Companhia Petroquímica de Pernambuco, PetroquímicaSuape, e a Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco, Citepe, produzem respectivamente o ácido tereftálico purificado (PTA) e polímeros e filamentos de poliéster e resina para embalagens PET. PROCESSO Nº: 0805433-25.2016.4.05.8500 — AÇÃO POPULAR ÓRGÃO JULGADOR: 2ª VARA FEDERAL(TITULAR) JUIZ FEDERAL TITULAR AUTOR: JOAO CARLOS DO NASCIMENTO SILVA (e outro) ADVOGADO: Raquel De Oliveira Sousa RÉU: PETROLEO BRASI

EFEITO LAVA JATO: EUA ASSUMEM CONTROLE DA EMBRAER SEM PAGAR NADA

Imagem
Publicado em 28 de janeiro 2017     por:   Miguel do Rosário , Postado em Redação Confira a notícia abaixo. Ela é boa para os coxinhas que defendem a privatização da Petrobrás achando que, assim, não haverá corrupção. A Embraer foi privatizada há muitos anos e está sendo acusada, nos EUA, de corrupção. Coisa bem pesada. Mas até aí tudo bem. A empresa foi acusada de corrupção e tenta hoje se corrigir. O bizarro é a solução encontrada. A empresa, outrora uma orgulhosa estatal brasileira, a partir de agora será vigiada, por dentro, por um executivo de um escritório de advocacia norte-americano.  O Estadão fala ainda que Petrobras e Braskem “se espelham” no modelo da Embraer. Os EUA, que fazem as guerras mais corruptas do mundo, nas quais matam milhões de pessoas, destroem toda a infra-estrutura dos países, apenas para que suas empreiteiras e outras empresas possam arrancar, do contribuinte americano, algumas centenas de bilhões de dólares para

KOTSCHO: “QUANDO O ANORMAL VIRA NATURAL, ALGO ESTÁ ERRADO”

Imagem
    28 DE JANEIRO DE 2017   O jornalista Ricardo Kotscho afirmou neste sábado, 28, que o Brasil está perdendo a capacidade de achar anormalidade nos fatos em curso no País. Kotscho relaciona uma série de situações que deveriam causar espanto nos brasileiros, mas é tratado com naturalidade; "Nada mais é capaz de chocar a distinta platéia nativa neste teatro do absurdo encenado em Brasília que parece tomada por um exército de ocupação ávido e faminto";  "Como é que o ex-bilionário Eike Batista sai de fininho do Brasil, assobiando no Galeão, às vésperas de ser preso numa operação da Lava Jato batizada de "Eficiência"?", questiona  247 -  O jornalista Ricardo Kotscho afirmou neste sábado, 28, que o Brasil está perdendo a capacidade de achar anormalidade nos fatos em curso no País. Kotscho relaciona uma série de situações que deveriam causar espanto nos brasileiros, mas é tratado com naturalidade.  "De uns tempos para cá, habituamo-no