31 outubro 2017

DESESPERO: PROCURADOR DA LAVA JATO AMEAÇA DEPUTADOS QUE FORAM OUVIR TACLA DURAN

 31 de outubro de 2017



O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) reagiu com indignação e classificou como "ameaça" uma crítica a ele feita pelo procurador da operação Lava Jato Carlos Fernando dos Santos Lima.

Em sua página no Facebook, Carlos Lima afirmou que as críticas de Pimenta ao processo de delações premiadas seria em função das "revelações de como a política é feita hoje em dia".


"Nem a ditadura ameaçava seus opositores de forma tão explícita. Será que isso tem a ver com o conteúdo do áudio de Rodrigo Tacla Duran, que eu e Wadih Damous protocolamos hoje na CPMI?", questionou Pimenta em texto em sua página no Facebook. 

O parlamentar petista se referiu ao encontro na Espanha com o ex-advogado da Odebrecht, que denunciou a maneira que delações premiadas tem sido obtidas pelo Ministério Público Federal (MPF) e o uso de planilhas e extratos manipulados, em desacordo com os originais dos sistemas da Odebrecht (leia mais).

"Ou por eu ter recebido do MPF detalhes sobre a ’farra das viagens e diárias’ dos procuradores, e que, por coincidência, Carlos Fernando dos Santos Lima aparecia como um dos que mais se utilizava desse expediente", continuou Pimenta. 

Segundo o deputado, em levantamento, via Lei de Acesso à Informação, verificou-se que o procurador Carlos Fernando Santos Lima recebeu R$ 368.874,72 em diárias entre 2013 e fevereiro de 2017. Entre os destinos do procurador estão viagens para Estados Unidos e Áustria.

Leia o texto de Paulo Pimenta na íntegra:

ESTADO POLICIAL EM UM ESTADO DE EXCEÇÃO!!

AGORA SOU AMEAÇADO POR INTEGRANTE DA FORÇA TAREFA DA LAVA JATO, POR MINHAS OPINIÕES SOBRE O INSTITUTO DAS DELAÇÕES PREMIADAS.

Um deputado federal emite uma opinião em um espaço democrático do Congresso Nacional. Logo em seguida, um Procurador Federal, contrariado com o conteúdo da manifestação, usa sua rede no Facebook para ameaçar o parlamentar. Sem qualquer explicação plausível, faz referências a 2018 e avisa: "2018 vem aí "!! Na sequência, um horda de bajuladores passa a me atacar. Não vote nele, Carlos Fernando avisou.

Minha gente, onde nós estamos. Nem a ditadura ameaçava seus opositores de forma tão explícita. Será que isso tem a ver com o conteúdo do áudio de Rodrigo Tacla Duran, que eu e Wadih Damous protocolamos hoje na CPMI?

Ou por eu ter recebido do MPF detalhes sobre a "farra das viagens e diárias" dos procuradores, e que, por coincidência, Carlos Fernando dos Santos Lima aparecia como um dos que mais se utilizava desse expediente.

"Nem a ditadura ameaçava seus opositores de forma tão explícita. Será que isso tem a ver com o conteúdo do áudio de Rodrigo Tacla Duran, que eu e Wadih Damous protocolamos hoje na CPMI?", questionou Pimenta em texto em sua página no Facebook. 

O parlamentar petista se referiu ao encontro na Espanha com o ex-advogado da Odebrecht, que denunciou a maneira que delações premiadas tem sido obtidas pelo Ministério Público Federal (MPF) e o uso de planilhas e extratos manipulados, em desacordo com os originais dos sistemas da Odebrecht (leia mais).

"Ou por eu ter recebido do MPF detalhes sobre a ’farra das viagens e diárias’ dos procuradores, e que, por coincidência, Carlos Fernando dos Santos Lima aparecia como um dos que mais se utilizava desse expediente", continuou Pimenta. 

Segundo o deputado, em levantamento, via Lei de Acesso à Informação, verificou-se que o procurador Carlos Fernando Santos Lima recebeu R$ 368.874,72 em diárias entre 2013 e fevereiro de 2017. Entre os destinos do procurador estão viagens para Estados Unidos e Áustria.

Leia o texto de Paulo Pimenta na íntegra:

ESTADO POLICIAL EM UM ESTADO DE EXCEÇÃO!!

AGORA SOU AMEAÇADO POR INTEGRANTE DA FORÇA TAREFA DA LAVA JATO, POR MINHAS OPINIÕES SOBRE O INSTITUTO DAS DELAÇÕES PREMIADAS.

Um deputado federal emite uma opinião em um espaço democrático do Congresso Nacional. Logo em seguida, um Procurador Federal, contrariado com o conteúdo da manifestação, usa sua rede no Facebook para ameaçar o parlamentar. Sem qualquer explicação plausível, faz referências a 2018 e avisa: "2018 vem aí "!! Na sequência, um horda de bajuladores passa a me atacar. Não vote nele, Carlos Fernando avisou.

Minha gente, onde nós estamos. Nem a ditadura ameaçava seus opositores de forma tão explícita. Será que isso tem a ver com o conteúdo do áudio de Rodrigo Tacla Duran, que eu e Wadih Damous protocolamos hoje na CPMI?

Ou por eu ter recebido do MPF detalhes sobre a "farra das viagens e diárias" dos procuradores, e que, por coincidência, Carlos Fernando dos Santos Lima aparecia como um dos que mais se utilizava desse expediente.

Em levantamento, via Lei de Acesso à Informação, verificou-se que o procurador Carlos Fernando Santos Lima recebeu R$ 368.874,72 em diárias entre 2013 e fevereiro de 2017. Entre os destinos do procurador estão viagens para Estados Unidos e Áustria.

Dr. Carlos Fernando, ainda não nasceu o Procurador que vai me intimidar!!

PS - minha crítica foi sobre delações obtidas de forma ilegal e criminosa, se o senhor se sentiu atingido, lamento. Confesso que não foi do senhor que lembrei na hora.









Fonte: Brasil247











29 outubro 2017

MAIS ROUBO: TEMER PAGOU MAIS DE 100 MILHÕES A AMIGO MARQUETEIRO

  29 de outubro de 2017



Michel Temer, que conseguiu se safar na Câmara dos Deputados das acusações por corrupção, obstrução judicial e comando de organização criminosa graças à compra escancarada de deputados, é uma usina de escândalos.

Reportagem deste domingo da Folha de S. Paulo revela que ele ampliou em 82% os repasses à agência de publicidade Calia, que pertence ao irmão de Elsinho Mouco, seu marqueteiro pessoal.

Os ganhos totalizaram R$ 102,1 milhões na gestão Temer.

"Os gastos com a empresa somaram R$ 102,1 milhões nos 476 dias após o peemedebista assumir (equivalentes a 15 meses e meio, até 31 de agosto), ante R$ 56 milhões em período idêntico, transcorrido até o afastamento da ex-presidente Dilma Rousseff, em 12 de maio do ano passado", diz o texto de Fábio Fabrini.

"Elsinho Mouco foi o responsável por campanhas eleitorais de Temer e presta serviços ao PMDB há pelo menos 15 anos. Com o impeachment, passou a ser responsável pela imagem do presidente. Cunhou o slogan "Ordem e Progresso", que remonta aos primórdios da República, e o ’Bora, Temer’ para contrapor a ’Fora, Temer’. Em agosto, assumiu o cargo de diretor na agência Isobar (antiga Click), que cuida da estratégia oficial para redes sociais, e passou a receber indiretamente do governo, tendo uma sala dentro do Palácio do Planalto", informa ainda o jornalista.

Essa sala no Palácio do Planalto também contraria as normas da administração pública.


Fonte: Brasil247










27 outubro 2017

DEPOIS DE MUITA INSISTÊNCIA COM O GOVERNO, ESCOLA “EDSON LOBÃO” TEM DIREÇÃO ESCOLHIDA PELA COMUNIDADE ESCOLAR

 27 de outubro de 2017



A Comunidade Escolar da Unidade Integrada Municipal “Edson Lobão” se reuniu e escolheram a Professora Pollyanna Lívia Teixeira de Carvalho para assumir o Cargo de Diretora, fizeram um Ofício e entregaram à Secretária de Educação para que a mesma baixasse uma Portaria efetivando a referida Professora no Cargo de Diretora Geral (dia 17/04/2017), porém a Secretária de Educação Ana Célia Pereira Damasceno Macêdo prometeu a nomeação, mas não cumpriu, menosprezou a atitude da Comunidade Escolar da Unidade Integrada Municipal “Edson Lobão”.


No dia 12 de julho a comunidade Escolar fez uma reunião e no final, foi feito um abaixo assinado, no dia 13/07/2017, uma comissão foi entregar em mãos o Ofício com o abaixo assinado para o Prefeito, porém a recepcionista do gabinete do Prefeito encaminhou a comissão para entregar o documento para a Professora Edna Reis (do Setor Pessoal).

Esta prometeu que até o dia 18/07/2017 estaria tudo resolvido, o que não aconteceu.

Depois desta tentativa, a comunidade fez outra reunião no dia 24/10/2017, com pais da escola e decidiram montar um grupo maior e irem até a Secretaria de Educação falar com a Secretária que atendeu a solicitação da Comunidade depois de muitas insistências e argumentações dos pais e funcionários.

A Professora Pollyanna Lívia Teixeira de Carvalho recebeu sua Portaria de Diretora adjunta da Unidade Integrada Municipal “Edson Lobão”.


A Comunidade da Escola está muito contente, porque lá na escola sempre foi assim, a Direção, Coordenação, Professores, Pais e Responsáveis por alunos estiveram juntos para decidir o que é melhor para a Educação dos alunos.

Essa Comunidade escolar é referência para às demais Comunidade no Município de Caxias.


Parabéns!









26 outubro 2017

MINISTROS DO STF SE XINGAM E QUASE SAEM NO TAPA AO DISCUTIR PRISÃO DE PODEROSOS

  26 de outubro de 2017



André Richter - Repórter da Agência Brasil

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso discutiram e trocaram ofensas na sessão da Corte na tarde de hoje (26). A discussão ocorreu durante o julgamento sobre a validade da uma decisão que envolve a extinção de tribunais de contas de municípios. O estopim para o início da briga ocorreu após Mendes criticar a situação financeira do Rio de Janeiro, estado de origem de Barroso.


Barroso questionou se, no Mato Grosso, estado de Gilmar Mendes "está tudo muito preso", em referência aos políticos presos no Rio de Janeiro e complementou dizendo: "Nós prendemos, tem gente que solta". Em resposta, Gilmar disse que o colega, ao chegar ao STF, "soltou José Dirceu", ex-ministro do governo Luiz Inácio Lula da Silva e condenado no caso do Mensalão.

Em seguida, os ministros foram interrompidos pela presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, mas voltaram a discutir.

Na segunda parte do bate-boca, ao explicar as razões pelas quais concedeu indulto ao ex-ministro José Dirceu, Barroso acusou Mendes de ser parcial em suas decisões.

"Não transfira para mim essa parceria que Vossa Excelência tem com a leniência em relação a criminalidade do colarinho branco", afirmou.

Ao rebater as declarações de Barroso, Gilmar Mendes disse que não é "advogado de bandidos internacionais", em referência ao trabalho de Barroso como defensor do ex-ativista italiano Cesare Battisti, antes de ser nomeado ao STF.

Na tréplica, Barroso disse a Gilmar: "Vossa Excelência vai mudando a jurisprudência de acordo com o réu. Isso não é Estado de Direito, isso é Estado de compadrio. Juiz não pode ter correligionário", concluiu.

Para encerrar a discussão, Cármen Lúcia lembrou aos colegas que eles estavam "no plenário de um Supremo Tribunal" e que ela gostaria de voltar ao caso em julgamento. Após o bate-boca, o julgamento foi retomado e concluído. Os ministros mantiveram a decisão da Assembleia Legislativa do Ceará, que extinguiu os tribunais de contas dos municípios do estado.



Fonte: Brasil247













25 outubro 2017

CONSELHO DO FUNDEB DE CAXIAS - MA É “CHAPA BRANCA” E COMETE CRIME DE PREVARICAÇÃO

    24 de outubro de 2017



Mais uma vez o Conselho do FUNDEB mostrou que não tem autonomia e sim subordinação ao Poder Executivo, é mais um Conselho em Caxias - MA chamado de “Chapa Branca.


Os Conselheiros perceberam nas contas de janeiro/2017 que havia 526 trabalhadores contratados no mês de janeiro de 2017 sendo 133 professores e 393 AOSD quando as escolas não estavam funcionando, pois é o período de férias tanto para os alunos quanto para os professores, que supostamente todas essas pessoas não trabalharam e causou uma despesa ao erário no valor de R$ 579.482,14. Mesmo assim o Conselho aprovou as contas sem ressalva.

O Conselheiro representante dos Professores sugeriu que enviasse Ofício para a Secretária de Educação solicitando os locais onde os trabalhadores contratados estavam desempenhando suas funções, o Conselho enviou os Ofícios Nº 019/2017; 024/2017 e 29/2017.  Mas a Secretária de Educação os ignorou, os conselheiros “Chapa Branca” continuaram aprovando as contas sem ressalvas.

Dos fatos, no mês de agosto/2017 chegaram ao Conselho às prestações de contas do Prefeito Fábio Gentil dos meses maio e junho/2017, o presidente do Conselho que havia marcado a reunião do Conselho para o dia 21/09, porém este não compareceu e também os que aprovam as contas faltaram, até parece que estavam combinados.

O presidente sabe que quando não há reunião por falta de quórum, outra reunião deve ser marcada dentro de dois dias úteis conforme o § 2º do Artigo 5º do Regimento Interno do Conselho. Então o presidente convoca outra reunião para o dia 10/10, toda via mais uma vez não compareceu.

Quando houve reunião em 19/10, foi lido o Ofício 10/2017 do Conselheiro José de Arimatéa onde solicitava cópias dos documentos dos meses junho e julho/2017, baseado na Lei nº 12.527 (Lei da Acessibilidade) Artigo 10 e 11, sendo que havia jurisprudência, (o Conselho já havia autorizado se tirar cópias dos documentos de janeiro a maio/2017),  foi quando o conselheiro representante do Poder Executivo (advogado contratado) votou contra a solicitação, isto levou outros conselheiros também a votar contra, a justificativa que o advogado encontrou foi dizer que o conselheiro José de Arimatéa “quer as informações para usar de má fé.

O advogado deve provar se o Conselheiro José de Arimatéa faz uso de má fé das informações obtidas. Uma pergunta que não quer calar: será que o advogado contratado desconhece esta Lei 12.527/2011? Se ele desconhece a Lei, o Município contratou um advogado incompetente, mas se conhece a lei e votou contra, ele prevaricou.

Também a secretária do Conselho leu um requerimento do Conselheiro José de Arimatéa onde requeria que o presidente do Conselho Sr. Ismael da Cruz Vidal enviasse um Ofício para o MPE e MPF, informando que a Secretária de Educação não havia respondido os Ofícios citados acima, tudo ficou acertado para o presidente enviar os Ofícios para os Órgãos fiscalizadores, porém o presidente não cumpriu uma deliberação do Conselho. O presidente do Conselho é contratado pelo Município e presta “serviço na Casa Brasil”.

Ao verificarem as contas, a Conselheira Evani percebeu que havia duplicidades de pagamento aos professores do EJA no mês de Janeiro e no mês de maio/2017, depois de discussão, ficou decidido que uma pessoa do Governo deveria ir ao Conselho para explicar o fato na próxima reunião extraordinária do dia 23/10/2017.

Na reunião extraordinária do dia 23/10 apareceu à contadora da Secretaria de Educação, informou que o fato foi um erro de digitação.

Mas nas contas apareceu um novo fato, antes era só suspeita que houvesse pessoas recebendo sem trabalhar, por isto é que o SINTRAP exige que na folha de pagamento tenha o local, função de cada trabalhador esteja desempenhando suas funções. Na  folha 250 do Volume I do mês de maio há uma pessoa que é Secretária do Meio Ambiente no Município de São João do Sóter, por causa disso a Secretária de Educação do Município Ana Célia Pereira Damasceno Macêdo afirmou para as professoras da escola Edson Lobão que a ex-diretora havia sido exonerada.

Mas consta na folha de pagamento que ela recebeu salário como Diretora da escola U.I.M. Edson Lobão em Caxias, no mês de junho na folha 200 do Volume I, a pessoa reaparece como Diretora da escola U.I.M. Edson Lobão de Caxias e recebeu seu salário indevido, o Conselheiro José de Arimatéa alertou que este fato aos outros conselheiros de que esta irregularidade é um crime de improbidade administrativa, porém eles cumpriram suas funções, aprovaram as contas sem ressalva.











22 outubro 2017

PROMOTORA DIZ QUE ‘MISSÃO’ DE MORO É ELIMINAR INIMIGOS DO PSDB; CONFIRA!

 22 de outubro e 2017



No último dia 10 de outubro, a Comissão de Direitos Humanos do Senado realizou audiência pública para debater o sistema de justiça brasileiro.

Uma das convidadas, a promotora de justiça Lúcia Helena Barbosa de Oliveira, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), criticou de forma contundente a Lava Jato e seus integrantes, apontando diversos abusos da operação


A fala de Lúcia Helena viralizou (veja abaixo). “Se um juiz é fotografado conversando no ouvido do opositor político do seu réu ou se o juiz vai aos jornais, como o presidente do TRF-4 o fez, para fazer apreciação de valor da sentença que ele vai julgar dizendo que a sentença do Moro é irrepreensível, ele já é suspeito”, falou.

O DCM conversou com Lúcia Helena Barbosa de Oliveira.

DCM – Em recente audiência pública no Senado sobre o sistema de justiça brasileiro e a busca de uma imparcialidade nos julgamentos, você disse que as vendas que representam a Justiça cega não existem…

Lúcia Helena Barbosa de Oliveira – A Justiça enxerga muitíssimo bem quem são os amigos e quem são os inimigos. Blinda os amigos e persegue os inimigos.

Você também falou na audiência que estava perplexa com o tema, “imparcialidade do juiz”. Por quê?

Minha perplexidade foi em ter que falar de uma coisa que eu sei que não existe. Porque a gente sempre julga com as opções que faz na vida. Então, é impossível apreciar um fato sem considerar, por exemplo, que você é branco, homem, membro de uma oligarquia, ou que foi ligado ao PSDB, ou que você é muçulmano, cristão etc.

É impossível se desvencilhar disso tudo. A minha perplexidade é, então, falar de uma coisa que, como teórica do direito, não existe. Não existe uma neutralidade.

Como avalia o comportamento de alguns integrantes da Lava Jato?

Essa pergunta remete a temas diversos dentro do direito. Num primeiro ponto, vou me limitar a aspectos mais gerais: o acesso à Justiça e o julgamento por um juízo imparcial. 

Ambos são direitos constitucionais fundamentais do homem, do cidadão, abordados também em diversas convenções internacionais. O Brasil assinou uma delas e se submete à jurisdição da Corte Interamericana de Direitos Humanos.

Num outro ponto já é a própria consideração sobre esses dois direitos, considerados fundamentais, que interessa. Eu abordo isso a partir de três linhas: uma sociopolítica, uma jurídica e uma terceira psiquiátrico-psicanalítica, que influencia as outras duas.

Na primeira vertente, eu diria que – levando-se em conta a extrema desigualdade social, a disparidade entre o que ganha um juiz, ou um membro do MP, e o salário mínimo – esses direitos parecem mais formalidade. Esse suposto acesso à Justiça parece gerar classes mais desassistidas.

Os membros do Judiciário e do MP usam uma linguagem rebuscada, em que tudo parece distante, misterioso, kafkiano. A própria postura, em si, é de alguém que se impregnou de uma falsa meritocracia, de um falso conhecimento: “eu estou nesta posição porque sou melhor do que fulano, beltrano e, provavelmente, melhor do que a pessoa que está sob meu julgamento”. Isso começa a revelar problemas entre a pessoa que exerce poder e autoridade e a pessoa que vai buscar justiça e, no meu entender, sai carregando injustiça.

No meu entendimento, a justiça não mora com o juiz. Buscar justiça num juiz é uma ilusão, porque a justiça mora no centro do injustiçado. É o injustiçado que guarda o sentido de justiça. O juiz é legitimado para dizer o direito. Dizendo o direito, nem sempre se alcança a justiça.
(…)

Onde acha que a Lava Jato quer chegar?

Na eliminação do maior adversário político do PSDB e da oligarquia dominante. Poderíamos dizer que a operação Lava Jato representa a forra, a vingança, da classe dominante que, em cinco séculos de história juntou milhões de desassistidos, deixou morrer milhões de crianças, instalou em vários momentos ditaduras e não se conformou de assistir condenados ao esquecimento histórico chegarem a posições de certo conforto socioeconômico.

Se formos analisar a, digamos, árvore genealógica dos membros da Lava Jato, e existem estudos sobre isso, veremos que eles são legítimos representantes da classe oligárquica dominante que precisa manter um certo status quo e que quer manter o poder. Querem dinheiro e poder.

A corrupção é função da desigualdade social. Há diagnósticos de importantes sociólogos dizendo que se atacássemos as desigualdades, o nível de corrupção desceria muitíssimo. Muitíssimo. Então, quando se proclama que a Lava Jato vai acabar com a corrupção no País é mais provável que acabem com a Lava Jato, antes que a corrupção acabe.

Uma outra verdade delirante. E acabar com a desigualdade, diminuir a desigualdade, cumprir o pacto constituinte, fica para quem? Quem vai fazer isso? Quem quer ajudar a cumprir as normas constitucionais? Normas que pedem, que exigem, que impõem ao estado a gerência da coisa pública para que a sociedade brasileira se torne, de fato, solidária, para que seja erradicada a miséria do País, para que todos tenham educação, saúde, para que todos tenham comida, oportunidade de felicidade, de desfrutar de todos os bens imateriais e materiais da vida.

A classe oligárquica, muito bem representada pelos integrantes da Lava Jato, defende a meritocracia. Há um vídeo ótimo na internet em que se propõe uma corrida para ganhar uma nota de cem dólares e a pessoa que lidera a brincadeira diz: “dois passos à frente para quem cresceu com pai e mãe em casa, dois passos à frente para quem sempre teve comida, dois passos à frente para quem pôde pagar por seus estudos”, e os negros vão ficando para trás e podemos perceber quem ganharia a corrida. Está marcado, é um jogo de cartas marcadas. Quem irá implementar o pacto constitucional de igualdade real?

Como se expressou a plateia do Jô Soares, a Lava Jato não vai salvar o Brasil. Está enfiando o País num buraco de autoritarismo, em que a ordem jurídica, a ordem democrática constitucional, a ordem cara à humanidade, de respeito a direitos humanos como acesso à Justiça e direito de ser julgado por juízo imparcial e independente, tudo isso está, simplesmente, sendo esquecido em várias instâncias do poder judiciário.



Fonte: Click Política

















INVESTIGADOR FAZ LISTA COM 22 ESCÂNDALOS DE CORRUPÇÃO DE JOÃO DÓRIA

  22 de outubro de 2017



Confira 22 escândalos de corrupção de João Doria

Em 1988, quando deixou a presidência da Embratur em cargo nomeado por José Sarney, foi acusado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) de vários desvios de verbas e intimado a devolver os valores aos cofres públicos. (https://goo.gl/r4MkKG , https://goo.gl/bbGP1w)


Comprou uma “empresa de prateleira” do escritório Mossack Fonseca, no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas, para adquirir um apartamento em Miami, em revelação dos Panama Papers. (https://goo.gl/dSeSTr)

Para se tornar o candidato à prefeitura pelo PSDB comprou votos e ofereceu benefícios a filiados nas prévias, de acordo com líderes do partido. (https://goo.gl/NAXvEs)

Com Geraldo Alckmin, cometeu abuso de poder e usou da máquina pública do Estado para obter vantagens ilegais nas eleições, conforme acusação do Ministério Público. (https://goo.gl/tBGB4O)

Recebeu cheque de R$ 20 mil de empresa investigada pela Lava-Jato, em suposta venda de quadro. (https://tinyurl.com/ybjq6449)

Em gravação da Polícia Federal, na Operação Boi Barrica, aparece dialogando com filho de José Sarney a respeito de indicação de cargo para diretoria na Eletrobrás. (https://goo.gl/Q9e6eg)

Em 2014 fez uma doação pessoal de R$ 50 mil para Rocha Loures, o famoso homem da mala da JBS. (https://goo.gl/NvofnW)

Omitiu e subvalorizou diversos bens em sua declaração à Receita Federal – que assim chegou a “apenas” R$ 179,6 milhões. (https://goo.gl/depy9c)

Entre 2014 e 2015 recebeu R$ 1,5 milhão em anúncios sobrevalorizados da Gestão Alckmin. (https://goo.gl/307sFi)

Já foi condenado em duas instâncias na Justiça do Trabalho por não pagar horas extras, salários, adicional noturno e verbas rescisórias a seus seguranças, que chegavam a se submeter a jornadas ilegais de 16 horas seguidas. (https://goo.gl/6VTQ8U)

Acumulou por 15 anos uma dívida com a Prefeitura que chegou a R$ 90 mil por recusar-se a pagar o IPTU de sua mansão nos Jardins, e quitou o valor apenas depois que o caso veio a público. (https://goo.gl/qHVCQE , https://goo.gl/ti6NeY)

Obteve em 2012 um favorecimento suspeito da Oi para instalação de antena em condomínio de luxo em Trancoso, onde tem uma casa, em revelação do Ministério Público. (https://goo.gl/4vffVS)

Cercou um terreno de uso público para anexar à sua mansão em Campos do Jordão e se recusou a devolver mesmo depois que a Justiça determinou a reintegração de posse para a Prefeitura. (https://goo.gl/UkYRW5)

Fraudou em sua gestão a concorrência para o patrocínio do carnaval de 2017 na cidade, como demonstram áudios divulgados pelo Ministério Público. (https://goo.gl/14Ycf2)

Promoveu em sua gestão parceria da prefeitura para que empresas ganhassem milhões em isenções fiscais doando remédios perto do vencimento para a população. (https://goo.gl/DOWxvz)

Intercedeu em benefício da esposa junto a chefe de agência no governo Dilma. Posteriormente Bia Doria obteve R$ 702 mil da Lei Rouanet para pagar exposição em Miami e livro sobre a própria obra. (https://goo.gl/pL9yxW e https://goo.gl/GqpfDC)

Para presidir a SP Negócios, órgão público do município responsável por parcerias e investimentos privados na cidade, nomeou o presidente da sua empresa (Lide), Juan Quirós, réu em acões trabalhistas e dono de um dívida de R$ 60 milhões, que tem os seus bens bloqueados pela Justiça por não cumprimento de contrato. (https://goo.gl/ZAmg6h)

Para liderar a principal subprefeitura, a regional da Sé, nomeou Eduardo Odloak, condenado em duas instâncias por improbidade administrativa. (https://goo.gl/aRbWgc)

Escolheu para liderar a Secretaria dos Transportes um réu em duas ações na Justiça por fraudes em licitações e contratos de trens do Metrô. Para a Secretaria da Saúde, nomeou investigado no Ministério Público por improbidade administrativa em transações com o Hospital das Clínicas, a Santa Casa e o Hospital do Servidor. (https://goo.gl/NbgdGv)

Contrariando orientações de sua equipe de transição, assim que assumiu o mandato de prefeito ordenou o rebaixamento do órgão da prefeitura responsável por fiscalizar a corrupção, a Controladoria-Geral do Município (CGM), a um mero departamento. (https://goo.gl/BvsiAy)

Após a descoberta da máfia da Cidade Limpa, envolvendo seis subprefeitos e três secretários nomeados por ele, ao invés de afastar os envolvidos demitiu a responsável pela investigação. (https://goo.gl/vhD894 , https://goo.gl/Zkn8kN, https://goo.gl/eN3XjB)

Demitiu Gilberto Natalini, Secretário do Meio Ambiente, depois que ele denunciou à Controladoria-Geral uma máfia para fraudar licenças ambientais na cidade (https://goo.gl/6SphhM)
Bônus:

Sua gestão inflou dados aqui (https://goo.gl/PR15Yj), ali (https://goo.gl/B5iaem) e acolá (https://goo.gl/Yms5GV), maquiou dados oficiais sobre o aumento de mortes nas marginais (https://goo.gl/EHhESw , https://goo.gl/xfCPXp , https://goo.gl/RXDyCE) e escondeu reclamações da população (https://goo.gl/N2EdbP).

Doria já forjou apoio de celebridade (https://goo.gl/vKHTK6) e de especialista (https://goo.gl/PveCnR) a seus programas e adulterou documento para não se responsabilizar por trabalho escravo (https://goo.gl/t4jtBM). Já recebeu em suas empresas mais de R$ 10 milhões de governos tucanos. (https://goo.gl/nEMNbB).

Mas quando recebe críticas, ele põe seus advogados para intimidar com ameaças (https://goo.gl/USGVj7).


Fonte: jornal ggn











20 outubro 2017

PRODUTORES DA RAÇÃO DE DORIA SÃO SUSPEITOS DE USAR COBAIAS HUMANAS E 14 PESSOAS MORRERAM

  20 de outubro de 2017



Parece até história de filme

Na edição do Jornal Nacional de quinta-feira 19 de outubro, reportagem sobre a ONG Plataforma Sinergia, produtora da “farinata”, um “complemento alimentar” desenvolvido pela organização sob demanda do prefeito de São Paulo, João Doria, que pretende usar tal “complemento” para alimentar a população carente e alunos das escolas municipais.

Depois de uma polêmica que envolveu nutricionistas, nutrólogos, educadores e promotores públicos, porém, a Prefeitura de São Paulo decidiu adiar a inclusão de um complemento alimentar na merenda escolar. O Conselho de Segurança Alimentar do governo federal e o Ministério Público de São Paulo pediram explicações sobre a composição do produto.

O conselho que representa os nutricionistas em São Paulo não concorda e defende as refeições tradicionais. Acha que é um retrocesso.

“A farinata não teve suas informações de composição nutricional e nem sua ficha técnica divulgadas. Então, nós não temos condições de avaliar em relação ao valor nutricional. O conselho entende que a farinata não pode substituir um alimento porque ele também não tem características de alimento”, disse a conselheira do Conselho Regional de Nutricionistas Vivian Zollar.

Nem o Conselho Regional de Nutricionistas nem o Ministério Público de São Paulo sabem ao certo a composição do composto alimentar. E, por isso, o promotor de Direitos Humanos está pedindo à prefeitura análises e perícias detalhadas sobre o produto. Afinal de contas, a matéria prima usada na fabricação são alimentos que iam ser descartados.

Agora, porém, o caso, que já era perturbador, agrava-se ante  graves denúncias.

Comecemos pelo começo. No site do governo do Estado de São Paulo o abrigo para pessoas carentes “Missão Belém” aparece bem na foto.

Apesar dos elogios de Alckmin, porém, a “Missão Belem” é investigada há seis anos pela polícia e pelo Ministério Público.

Abrigo ligado à Igreja Católica, a Missão Belém em Jarinu, cidade do interior de São Paulo, está sendo investigado pelo Ministério Público. Na comunidade terapêutica destinada ao tratamento de ex-dependentes químicos e ex-moradores de rua foram registradas 14 mortes no mês de junho deste ano, mas a instituição levanta suspeitas há seis anos.

O hospital que recebeu os corpos dos internos afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que todos estavam “em avançado estado de desidratação, desnutrição e intoxicação alimentar.

Vários sites especializados em alimentação, como o “E-Boca Livre”, e o site de notícias canadense “Vice”, estão levantando uma suspeita macabra:

“(…) Os que morreram no período apresentavam quadro de diarreia e vomito, seguido de desnutrição, desidratação e intoxicação alimentar. Outros 19, internados com os mesmos sintomas, sobreviveram. As vitimas moravam no sítio da Missão Belem. Metade delas era de idosos e moravam no sítio há anos.

Do dia 03 a 18 de julho, o hospital de Clinicas de Campo Limpo Paulista recebeu 25 internos da Missão Belém. “Se Deus decide levar, já não é problema nosso”, declarou o coordenador da instituição. O Padre Giampietro Carraro, fundador do grupo e que faz esse serviço inclusive no Haiti, não deu entrevista. A Arquidiocese de São Paulo, informou que a Missão Belém é independente.

Tudo isso seria um simples e escabroso caso policial, não fosse a importância de que se reveste agora: a Arquidiocese e a Missão Belém estão, lado a lado, como colaboradores da Plataforma Sinergia, assim como a Prefeitura de São Paulo

O que significa ser colaborador desse projeto? Ainda mais um abrigo de indigentes e drogados. Seria um campo de provas e experimentos? Como pode a Prefeitura de São Paulo se envolver com parceiros que não dispõem de licença para operar legalmente? O que os ditos “parceiros” estão fazendo para apurar a razão das mortes?

Eis ai um campo muito fértil para o jornalismo independente.

A sociedade está interessada em conhecer todos os laços da Plataforma Sinergia desde que o prefeito a trouxe para a esfera pública e pretende abraçar o seu projeto, inclusive abrindo-lhe as portas de escolas e creches. Nós, paulistanos, não queremos isso.

Ele não poderá fazê-lo, sob pena de responsabilização, se beneficiar de alguma forma entidades inidôneas, envolvidas em mortes até agora misteriosas. É mesmo urgente que a Câmara dos Vereadores aprove a CPI para apurar as verdades, envolvendo os apoios à Plataforma Sinergia.”


Perturbador, não? Quem são essas pessoas que governam o Estado de São Paulo e sua capital? Parece que esse poço é muito mais fundo do que se pensava. Se é que tem fundo…




Fonte: Blog da Cidadania









18 outubro 2017

TEMER COMPROU SALVAÇÃO DE AÉCIO COM R$ 200 MILHÕES EM EMENDAS A SENADORES

  18 de outubro de 2017


Michel Temer liberou R$ 200 milhões em emendas para salvar o mandato de Aécio Neves (PSDB-MG), na sessão de ontem do Senado Federal. Os dois, como todos sabem, são cúmplices no golpe contra a democracia brasileira, comprado pelo ex-deputado Eduardo Cunha.


A denúncia da compra de senadores foi feita pelo jornalista Josias de Souza, colunista do Uol. "Unido a Aécio Neves por solidariedade política e penal, Michel Temer mobilizou-se para devolver ao senador tucano o mandato, a liberdade noturna e o passaporte. Para virar votos no plenário do Senado, Temer autorizou seus operadores políticos a acenar com a liberação de R$ 200 milhões em emendas orçamentárias", diz ele.

"Não basta a Aécio dizer ’muito obrigado’. Temer espera receber sua retribuição na Câmara, onde tramita a segunda denúncia da Procuradoria contra ele. Aécio já ajudara a organizar o enterro da primeira denúncia. O Planalto espera que auxilie muito mais no segundo velório. Uma mão lava a outra. Mas o resto permanece sujo. O ruído que se ouve ao fundo é o eco do diálogo vadio que Aécio manteve com o delator Joesley Batista", afirma o jornalista. Na conversa, Aécio negocia R$ 2 milhões em propinas, que foram entregues a seu primo Fred Pacheco, hoje em prisão domiciliar.

Agora, Temer tenta fechar a compra da bancada ruralista liberando a volta do trabalho escravo nas fazendas, com o fim da fiscalização – decisão contestada pela OIT e pela própria secretária de direitos humanos do governo Temer



Fonte: Brasil247