31 outubro 2019

JORNAL NACIONAL REPERCUTE CRÍTICAS CONTRA EDUARDO BOLSONARO E RETOMA CASO MARIELLE

Foto: Reprodução/TV Globo
31 de outubro de 2019




Telejornal da Globo exibe inconsistências da perícia do MP-RJ no caso Marielle e destaca críticas sofridas pelo filho do presidente, após declaração pró-AI-5



  
O Jornal Nacional, da Rede Globo, adotou um tom duro nesta quinta-feira (31) ao abordar as declarações do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em favor do retorno do AI-5. A reportagem exibiu declarações de diversos parlamentares e organismos condenando a fala. O telejornal ainda repercutiu a matéria da Folha de S.Paulo, que aponta que o Ministério Público deixou lacunas na investigação em que afirmou que o porteiro do condomínio Vivendas da Barra mentiu.

O JN caracterizou o AI-5 como o “mais duro ato da ditadura militar” e destacou as prisões, censura e perseguições realizadas após a edição do ato. Decretado em 13 de dezembro de 1968 pela ditadura durante o governo do general Costa e Silva, o Ato Institucional número 5 (AI-5) levou ao endurecimento do regime dando poder de exceção aos militares para punir arbitrariamente os que fossem inimigos do regime ou como tal considerados.

A reportagem exibiu entrevistas com diversos deputados condenando a fala de Eduardo, além de nota dos presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-SP), e de entrevista com o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz. A decisão da oposição de levar Eduardo para o Conselho de Ética também foi veiculada.

Condomínio de Bolsonaro

O Jornal Nacional exibiu também a reportagem da Folha, que revela que a investigação do Ministério Público que definiu o porteiro como mentiroso não apurou se houve alteração nos arquivos. O periódico apontou que a análise relâmpago feita pelo MP na quarta-feira (30), um dia após a primeira reportagem do Jornal Nacional sobre o possível envolvimento do presidente Jair Bolsonaro na morte de Marielle Franco, não considerou que gravações possam ter sido apagadas do arquivo da portaria.

Na matéria exibida pelo JN, a “rapidez” da perícia também foi questionada. O apresentador William Bonner disse que a Globo perguntou às procuradoras do caso como as conclusões do MP foram tiradas em menos de três horas, tendo em vista que o processo que solicitou auditoria foi apresentado por volta das 13h e a coletiva foi feita às 15h. Não houve resposta satisfatória.


Fonte: Fórum   por Redação











30 outubro 2019

FROTA REVELA USO DE DINHEIRO PÚBLICO PELA MÁQUINA DE FAKE NEWS DO CLÃ BOLSONARO

Deputado Alexandre Frota (PSDB-SP)
Deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)
30 de outubro de 2019




Em depoimento à CPMI das Fake News, deputado também voltou a relatar o caso em que Jair Bolsonaro reclamou com ele após ter feito um discurso pedindo a prisão de Queiroz. "Papai ficou chateado", disse o senador Flávio

247 - O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) compareceu nesta quarta-feira 30 à audiência da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News, onde denunciou que o vereador Carlos Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro, comanda a milícia virtual bolsonarista para fazer linchamentos.

“Quem coordena? Carlos Bolsonaro, direto do Rio de Janeiro, coordena. Realizando reuniões, disparando via Whatsapp seus comandos”, disse o deputado.
Frota contou alguns episódios que fizeram parte das ações desse exército virtual e levou ao presidente da CPI, Angelo Coronel (PSD-BA), documentos listando os perfis que atuam nos ataques virtuais. "São sempre as mesmas milícias atuando de forma organizada", disse.
Frota também revelou ter discutido com Jair Bolsonaro e os filhos Carlos e Flávio sobre o impulsionamento de conteúdo no Facebook durante a campanah eleitoral. Segundo ele, empresários foram acionados para bancar a empreitada durante a eleição.
Assista à sessão ao vivo e, abaixo, confira repercussões sobre seu depoimento no Twitter:

Fonte: Brasil 247  




28 outubro 2019

MUNDO ANIMAL: MEDO DE QUEIROZ FAZ CARLUXO PRODUZIR PARA O PAI UMA VERSÃO MILICIANA DE REI LEÃO


28 de outubro de 2019






– Chile, Argentina, Bolívia, Peru, Equador …..
– Mais que a vida, a nossa LIBERDADE.
– Brasil acima de tudo!
– Deus acima de todos! pic.twitter.com/6G1lry1GT1
— Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) October 28, 2019

O novo ataque às instituições perpetrado por Bolsonaro vem na forma de um episódio ruim de “Mundo Animal”.

Num vídeo postado em suas redes, o presidente aparece como um leão cercado de hienas.
Os predadores têm plaquinhas vagabundas com nomes de partidos — inclusive o dele —, a CUT, a ONU, a imprensa, as feministas e o STF.
É qualquer coisa de imbecil e, como de hábito, feito para seu gado, acostumado a mamadeiras de piroca e ao Pavão Misterioso.
Mesmo assim, estabelece um novo padrão de indigência mental. Do chão, passa, sim, em se tratando da família.
Bolsonaro está cercado, é verdade, mas de gente incompetente, corrupta e autoritária.
O que lhe tira o sono é Fabrício Queiroz, que anda mandando recados através de áudios vazados por ele mesmo.
Nos mais recentes, o ex-assessor de Flávio conta, por exemplo, que mantém sua influência política e é consultado sobre nomeações no Legislativo.
“Tem mais de 500 cargos, cara, lá na Câmara e no Senado. Pode indicar para qualquer comissão ou, alguma coisa, sem vincular a eles (os Bolsonaros) em nada, em nada. Vinte continho aí para gente caía bem pra caralho, entendeu?”, diz a um interlocutor não identificado.
Queiroz afirma que geria salários de assessores de Flávio para ampliar a atuação política do gabinete.
Num outro, a conversa é mais explícita e ele se queixa de abandono.
“É o que eu falo, o cara (Adélio) lá está hiperprotegido. Eu não vejo ninguém mover nada para tentar me ajudar aí. Ver e tal… É só porrada. O MP (Ministério Público) tá com uma pica do tamanho de um cometa para enterrar na gente. Não vi ninguém agir”, fala.
Bolsonaro tentou sair pela tangente.
“Eu não falo com o Queiroz desde que aconteceu esse problema”, declarou numa coletiva, em referência às primeiras denúncias da rachadinha.
Sossega, leão, que sua hora está chegando.


Fonte: Diário do Centro do Mundo (D. C. M.)   por  Kiko Nogueira
















25 outubro 2019

PGR DIVULGA IDENTIDADE DE MANDANTE DA EXECUÇÃO DE MARIELLE: DOMINGOS BRAZÃO

(Foto: Voney Malta)
25 de outubro de 2019




Em denúncia enviada ao STJ, a Procuradoria-Geral da República disse que o conselheiro do TCE-RJ Domingos Brazão arquitetou o homicídio da vereadora Marielle Franco. "E, visando manter-se impune, esquematizou a difusão de notícia falsa sobre os responsáveis pelo homicídio"


247 - A Procuradoria-Geral da República declarou, em denúncia enviada ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), que o político Domingos Brazão, do MDB, "arquitetou o homicídio da vereadora Marielle Franco e visando manter-se impune, esquematizou a difusão de notícia falsa sobre os responsáveis pelo homicídio."

A reportagem do portal UOL destaca que esta é a primeira declaração taxativa de uma autoridade sobre o mandante do atentado da vereadora e de seu motorista, Anderson Gomes, em 14 de março do ano passado. 

A denúncia foi assinada pela então procuradora-geral da República Raquel Dodge, antes de deixar o cargo. Ela acusou Brazão e outras quatro pessoas por participação em suposto esquema de obstrução da investigação do atentado.

São elas: o agente aposentado da Polícia Federal, Gilberto Ribeiro da Costa; o policial militar do Rio, Rodrigo Jorge Ferreira; a advogada Camila Moreira Lima Nogueira; e o delegado da polícia federal, Hélio Christian Cunha de Almeida. 

Trecho da denúncia ainda diz: "fazia parte da estratégia que alguém prestasse falso testemunho sobre a autoria do crime e a notícia falsa chegasse à Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, desviando o curso da investigação em andamento e afastando a linha investigativa que pudesse identificá-lo como mentor intelectual dos crimes de homicídio."


Fonte: Brasil 247   por  Portal do Uol
















23 outubro 2019

LEI DO PETRÓLEO TRAZ UMA RENÚNCIA FISCAL DE R$ 1,8 TRILHÃO

Posto Shell. Foto: AFP / Cark Court
23 de outubro de 2019




A Shell Brasil, maior produtora estrangeira de petróleo no país, apresentou prejuízo contábil em 2018. A francesa Total, que opera no pré-sal, também. Para Paulo Cesar Ribeiro Lima, doutor em Engenharia e consultor legislativo aposentado da Câmara dos Deputados, esses resultados comprovam as denúncias contra a MP do Trilhão, convertida na Lei 13.586/2017

Essa Lei é resultado da conversão da Medida Provisória 795, de 2017, que embute uma renúncia fiscal trilionária. “A partir dos pagamentos de IRPJ e CSLL, em 2018, comprova-se que essa MP pode gerar redução de arrecadação de R$ 1,804 trilhão, a valor presente. Em valores nominais, essa redução pode ser de R$ 4,205 trilhões”, estima Paulo Cesar Lima, especialista na área de energia.
Em 2018, as cinco maiores empresas estrangeiras produtoras de petróleo tiveram uma receita líquida de R$ 47,405 bilhões, mas o resultado dos lucros líquidos menos os prejuízos foi de apenas R$ 1,951 bilhão. “Considerando-se apenas as empresas que apresentaram lucro contábil, estima-se que elas pagaram apenas R$ 1,760 bilhão de IRPJ e CSLL, o que representa 3,7% da receita líquida”, acrescenta o ex-consultor da Câmara. O percentual é muito inferior ao cobrado de empresas ou sobre a renda dos trabalhadores brasileiros.
Com a Rodada de Licitações do Excedente da Cessão Onerosa, prevista para 6 de novembro, a Shell e outras empresas petrolíferas devem ficar com boa parte de áreas tão rentáveis quanto o campo de Lula, que produz quase 50% do petróleo do pré-sal, mas podem não pagar IRPJ, como Paulo Cesar Lima havia denunciado em 2017.


Fonte: Diário do Centro do Mundo (D. C. M.)