09 fevereiro 2020

MILICIANO PRÓXIMO DE FLÁVIO BOLSONARO É MORTO EM TROCA DE TIROS COM A POLÍCIA CIVIL NA BAHIA


Capitão Adriano, denunciado da Operação Intocáveis, cuja mãe trabalho no gabinete de Flávio Bolsonaro

9 de fevereiro de 2020


O ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega foi morto na manhã deste domingo durante uma troca de tiros com a Polícia Civil do Rio. Apontado como autor de diversos homicídios, o ex-militar era um dos criminosos mais procurados do Rio de Janeiro, inclusive com alerta vermelho da Interpol. O ex-policial militar foi localizado numa área rural do estado da Bahia, no município de Esplanada. A ação teve apoio da Secretaria de Estado de Segurança da Bahia.
Há cerca de um ano, capitão Adriano vinha sendo investigado e monitorado pela inteligência da Secretaria de Polícia Civil, que conseguiu chegar ao paradeiro dele na Bahia. Com apoio operacional do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar da Bahia, foi realizada uma ação com o uso de helicóptero. Segundo a polícia, Adriano reagiu e efetuou vários disparos contra os agentes. Ele foi ferido e não resistiu. Adriano era acusado de ser o chefe de um grupo criminoso formado por matadores de aluguel, que ficou conhecido como Escritório do Crime. Ele era réu na Operação Intocáveis do Ministério Público do Rio (MP-RJ), que apura a milícia de Rio das Pedras.


Fonte: Diário do Centro do Mundo   por  Vera Araújo no Globo














 

Nenhum comentário: